}catch (ex){}

Big Data: 7 estratégias para usá-la no marketing do seu negócio

Big Data
CONSULTORIA EFICIENTE!

CONSULTORIA EFICIENTE!

TREINE SUA EQUIPE!

TREINE SUA EQUIPE!

O Big Data atualmente para as empresas, é um diferencial que atrai investimentos substanciais. Os empresários olham com admiração a forma como empresas como o Google e o Bol.com conseguiram construir modelos de negócios de sucesso através do uso de Big Data.

Neste sentido, estratégias orientadas por dados fornecem oportunidades para as empresas obterem uma vantagem competitiva.

O Big Data, portanto, tem o potencial de revolucionar a ciência de gerenciamento. Com o suporte certo da organização, o Big Data pode ajudar as empresas a aumentar o desempenho para um nível anteriormente impossível.

Para saber mais sobre isso, confira o nosso artigo de hoje sobre as principais estratégias para usar o Big Data no marketing do seu negócio.

Big DataBig Data: 7 estratégias para usá-la no marketing do seu negócio.

Gerenciamento de dados, estratégia de dados, Big Data. Todo mundo fala sobre isso, mas para muitos continua sendo um conceito conceitual razoável.

E não só isso. O tipo de dados, a qualidade, a quantidade, os sistemas, os propósitos e a definição dos dados “valiosos”. Tudo é completamente diferente para cada empresa.

No entanto, todas as empresas podem obter ganhos rápidos seguindo várias etapas para configurar uma boa estratégia de gerenciamento de Big Data no marketing. Confira a seguir as principais estratégias.

Essas são as redes sociais que você precisa estar para começar a ganhar dinheiro

1.    O poder do Big Data

O Big Data é mais importante para sua organização do que você pensa. Entretanto o algoritmo poderia ser aperfeiçoado. Para os varejistas tradicionais, o acesso a esse tipo de informação é simplesmente impensável.

Portanto, não é de admirar que as lojas online como a Bol.com tenham roubado muitas lojas de livros off-line de seus negócios.

Contudo, não são apenas as startups on-line que podem se beneficiar do Big Data. E não são apenas os grandes conglomerados com uma ampla gama de produtos B2C que podem e devem fazer algo com Big Data na estratégia de marketing.

O Big Data também oferece oportunidades para empresas menores com produtos e serviços tradicionais.

Neste sentido, compreender o Big Data e utilizá-lo para tomar importantes decisões gerenciais ajudará essas empresas a obter e manter uma vantagem competitiva.

Nos dias de hoje podemos saber muito mais e, portanto, gerenciar mais do que nunca. Podemos fazer previsões melhores e, portanto, melhores decisões.

As decisões que fizemos anteriormente com base no sentimento e na intuição podem agora ser tomadas com base no comportamento real dos consumidores.

2.    Revolução Gerencial

Smartphones, compras online, comportamento de navegação nos sites, comportamento de busca na web, comunicação digital, GPS, aplicativos, contas em todas as plataformas online.

Estes são alguns exemplos das muitas fontes que possibilitam coletar, estruturar e fornecer dados sobre os consumidores, para encontrar padrões e usar esses insights para tomar decisões importantes sobre gerenciamento.

Neste sentido, atualmente, estamos lidando com uma explosão de dados. Cada um de nós é um gerador de dados em execução.

No entanto, nosso problema não é o excedente de dados. Nosso problema não é poder filtrá-los e analisá-los.

A capacidade de separar o ruído e a informação que é indispensável em uma estratégia de marketing com o Big Data.

Os círculos de Big Data que sua empresa é um fato. O desafio é encontrar uma maneira de criar valor para sua empresa.

Graças ao Big Data, os gerentes podem medir muito mais e, portanto, conhecer seus negócios e traduzir esse conhecimento em melhor tomada de decisão e desempenho.

Além disso, à medida que mais ferramentas e teorias sobre o Big Data forem disseminadas, o pensamento gerencial mudará gradualmente.

Vários líderes reconhecem que uma revolução administrativa está em andamento. Mas, assim como com qualquer outra mudança, você precisa de coragem e perseverança para poder usar Big Data em sua organização para criar valor.

Nem carro, nem casa. Isto é o que você precisa perseguir para ter sucesso

3.    O que há de novo no Big Data?

Atualmente, várias empresas (tradicionais) têm duvidas sobre o que há de novo no Big Data. Nós apenas chamamos isso de “dados!”, dizem muitos dos diretores de agências de pesquisa de mercado do mundo, que analisa dados de clientes de empresas.

Entretanto, em estratégias de marketing com o Big Data, há diversos aspectos a serem considerados, como:

  • Volume

Em 2012, 2,5 exabytes de dados foram criados todos os dias e o volume de dados duplicou a cada 40 meses.

Atualmente, mais dados estão presentes na Internet por segundo do que os criados há 20 anos em todo o ano.

As transações no Walmart geram 2,5 petabytes de dados de clientes por hora. A quantidade de dados é maior do que nunca e está crescendo exponencialmente.

Os métodos e ferramentas de análise tradicionais agora são inadequados para processamento, estruturação e localização de padrões nessas quantidades de dados. Além disso, a crescente quantidade de dados também possibilita o uso de informações melhores.

Big Data

  • Velocidade

Não apenas a quantidade de dados distingue Big Data da análise tradicional. Mas principalmente a velocidade com que esses dados são criados e analisados.

A velocidade com que a mudança ocorre sempre foi importante e podemos aprender muito com o mundo financeiro a esse respeito.

Os corretores sempre localizaram seus escritórios o mais próximo possível dos servidores das bolsas de valores. A fim de poder receber as informações um décimo de segundo antes dos concorrentes e, assim, poder negociar as ações anteriormente.

Mas em outros setores também, a coleta de informações em tempo real possibilita que as empresas se tornem mais ágeis do que os concorrentes.

Por exemplo, os dados de localização de celulares podem ser usados ​​para prever quantas compras serão feitas em um shopping particular.

As lojas são, portanto, mais capazes de antecipar essas informações,. Por exemplo, quando se trata de suprimentos de emergência, a implantação de pessoas extras, etc.

  • Variedade

O Big Data são as informações sobre os clientes coletados no site (seu comportamento de navegação), as mensagens e atualizações de usuários de plataformas on-line, sinais de GPS de seus smartphones, fotos tiradas com o Instagram, informações sobre o uso de aplicativos e muito mais.

Neste sentido, muitas das principais fontes de Big Data são relativamente novas: As plataformas sociais e os smartphones não existiam há 10 anos.

Portanto, não podemos colocar essas novas formas de dados no benchmark dos dados tradicionais e começar a analisá-los com as técnicas que usamos há décadas.

Devido à variedade de fontes, os bancos de dados estruturados que armazenam dados da empresa não podem armazenar e processar Big Data.

4.    Organização orientada por dados

Um comerciante médio atualmente tem mais preconceitos sobre Big Data do que ele tem conhecimento.

Você ouve todos os tipos de coisas: Big Data é um hype, é apenas para grandes organizações (B2C), é muito caro fazer qualquer coisa com isso, é muito longe para a nossa organização, etc.

Isso também se aplica à sua organização. Portanto, pergunte a si mesmo como um profissional de marketing se estiver disposto a fazer uma mudança que beneficie sua empresa.

Porque agora há evidências científicas de que o uso de Big Data influencia positivamente o resultado operacional.

Neste sentido, pesquisas recentes mostram que empresas orientadas a dados têm melhores resultados financeiros e operacionais do que empresas que não baseiam suas decisões em dados.

Além disso, um terço das empresas que têm um processo de decisão orientado por dados é 5% mais produtivo e 6% mais lucrativo do que seus concorrentes no mesmo setor.

É claro que nem toda empresa decidirá se tornar uma organização orientada por dados, mas os dados nos dizem que a decisão da gerência de fazê-lo é a correta.

Balanced Scorecard: o método para alavancar seu negócio

5.    Big Data na percepção humana

O Big Data não substitui a necessidade de percepção humana, mas leva o processo de tomada de decisão a um nível superior.

Desde o início da existência de nossa espécie, as tecnologias de processamento de dados ajudaram a humanidade a dar passos adicionais em nosso desenvolvimento, o que, cientificamente, é apoiado pelo modelo da escada mental .

Para começar, o potencial cognitivo de um humano parece ser limitado. O professor Ackoff afirma que 40% de todos os processos cognitivos no cérebro estão concentrados no processamento de dados.

Em síntese, são todos estímulos que entram no cérebro. Cerca de 30% da energia cognitiva restante é então gasta no processamento da informação e 20% na formação do conhecimento. Como resultado, apenas 10% permanecem para as camadas superiores, como sabedoria e visão.

Desde o primeiro ábaco, a primeira calculadora e o primeiro computador, foi possível para a humanidade concentrar a nossa energia cognitiva nas camadas superiores da escada mental, onde nossos cérebros não precisam estar envolvidos em cálculos elementares.

Fomos capazes de concentrar nosso poder mental na aplicação das informações obtidas e não mais no processamento delas. Esse é exatamente o valor agregado das tecnologias de Big Data é fundamental para profissionais de marketing.

Para nós, a mente humana e a tecnologia são duas coisas diferentes, mas o professor Clark afirma que não podemos nos separar da tecnologia da informação, é uma extensão da nossa mente.

E é por isso que nossas possibilidades cognitivas não são limitadas, a tecnologia está mudando-as. Assegura que os processos cognitivos ocorram fora do nosso corpo.

Se não usarmos a tecnologia, a maior parte de nossa energia mental é alocada aos níveis mais baixos da escada mental.

Por outro lado, a aplicação de tecnologias de Big Data garante que a energia mental seja liberada e, em seguida, a move nos níveis mais altos da escada, como formar sabedoria e formular uma visão. Exatamente o que a gerência sênior precisa em todas as organizações.

Na verdade é muito simples. Nossos computadores nos dão controle sobre quantidades infinitas de dados. As tecnologias de Big Data nos dão a oportunidade de processar as informações e formar conhecimento na forma de conexões, modelos e teorias.

Em suma, como resultado, somos capazes de nos concentrar mais nas camadas superiores da escada mental, como formular objetivos, tomar decisões, elaborar valores (de empresa) e formular a estratégia.

As atividades que realmente representam a visão tem que se traduzir em realidade. Em vez de coletar informações e conhecimento, podemos nos concentrar mais em abordar e traduzir nossa imaginação em prática.

E isso é provavelmente que Albert Einstein queria dizer “A imaginação é mais importante que o conhecimento”.

Big Data6.    Insight

Já é difícil para muitas empresas colocar seus dados em ordem. Vincular dados e sistemas entre si é, portanto, um espetáculo grandioso.

Entretanto, se o fizerem, eles poderão obter insights sobre seus processos, clientes, mercados, leads, eficiência e, por exemplo, números financeiros em tempo real mais do que nunca.

Pela primeira vez na história, podemos não apenas obter um perfil de cliente de 360 ​​graus (e, portanto, concentrar nossas flechas de marketing com a mensagem certa no grupo-alvo certo com muito mais rapidez e eficiência), podemos até prever e olhar em frente.

Para isso, você deve ter uma estratégia de gerenciamento de dados através do Big Data. Então, é necessário começar.

7.    Gerenciamento de dados

Antes de elaborar uma estratégia de gerenciamento de dados, é importante se perguntar algumas coisas, como: Quão madura é a sua organização quando se trata de dados?

Neste sentido, você não pode ir diretamente de 1 a 100. Teste a sua maturidade com base no processamento do Big Data.

Observe também seus desafios internos. Seus dados de cultura corporativa são orientados? Você tem as pessoas e sistemas certos? Como você lida com segurança e privacidade?

Seus dados estão em ordem e você sabe quais informações lhe dão uma vantagem inicial, por exemplo, sobre o cliente ou sobre seus processos internos?

Em síntese, ao ficar claro antecipadamente onde você está agora, você economiza tempo ao elaborar sua estratégia de gerenciamento de dados.

Conquista a confiança de todos fazendo apenas isso

Configure sua estratégia de gerenciamento de dados

Você sabe onde você está e quais são suas opções de Big Data. Sua estratégia de gerenciamento de dados agora é destinada a guiá-lo para alcançar seus objetivos. Você pode preparar essa estratégia em 4 etapas principais.

1.    Primeiro de tudo, determine seus objetivos.

Você trabalha em logística? Então, por exemplo, você se beneficiará ao melhorar sua eficiência com o Big Data.

Nesse caso, você quer ver coisas como a velocidade da rota, o consumo de combustível, as previsões do tempo e as obras na estrada.

Você quer mais lucro? Em seguida, é aconselhável concentrar-se em questões como vendas por cliente, seu potencial (que os clientes ainda podem comprar), serviço. Reclamações, situação financeira dos clientes e, por exemplo, suas opções de venda direta e cruzada.

Resumindo: Seu objetivo determina a implementação de sua estratégia de gerenciamento de dados.

Big Data2.    Agora que você esclareceu seus objetivos estratégicos, você pode traduzi-los em metas específicas no campo de dados. Isso inclui problemas como:

  • O que você quer entender?
  • Quais são seus alvos? (formule isso como ‘SMART’ quanto possível)
  • Em que período você deseja atingir seus objetivos?

3.    Configure seu projeto durante a próxima etapa.

Em síntese, suponha que seu objetivo estratégico seja obter mais lucro e sua meta concreta é aumentar o volume de negócios com os clientes existentes através do Big Data.

Portanto, é necessário questionar: O que e quem você deve usar para isso? Para isso, considere por exemplo:

  • Análise do seu banco de dados. Isso lhe dá uma visão sobre quais clientes são mais valiosos e quais clientes, por exemplo, ainda têm potencial de crescimento. Você pode compilar uma estratégia de segmentação com base nesses insights.
  • Ligação de sistemas. Para fazer a análise acima, você também pode precisar saber o quanto seus clientes estão pagando (porque isso afeta sua margem). E se eles são financeiramente sólidos.
  • Qualidade de dados. Todos os dados do CRM estão atualizados e todos os detalhes de compra, pedido e contato estão corretos e completos? Se isso exigir muita atenção, você poderá transformá-lo em um projeto separado.
  • Pontuação de leads. Como é a sua pontuação de leads para gerenciar as vendas comercialmente da maneira mais eficaz?

E se você gostou do nosso artigo de hoje sobre as principais estratégias de Big Data. Então continue em nosso site e confira muito mais.

 

 

TREINE SUA EQUIPE!

TREINE SUA EQUIPE!

CONSULTORIA EFICIENTE!

CONSULTORIA EFICIENTE!

There are no comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Start typing and press Enter to search

Shopping Cart